©Sonia Soares©



Ir atrás do que se deseja é bom, é saudável e é necessário para o crescimento pessoal. Nossos comportamentos sempre têm a intenção maior de se alcançar o bem-estar. E o impulso para esta busca é muito poderoso, pode mover uma vida. Nesta busca, de repente, você olha e acha que alguma outra pessoa tem exatamente aquilo que falta a você para alcançar o que quer: pronto, instala-se um sentimento, que, quem tem fica tão desconfortável em ter, que até é capaz de falar que sente aquela inveja boa, só para tentar justificar estar sentindo algo considerado extremamente negativo e destruidor. A inveja é, para mim, o sentimento que as pessoas mais escondem, mais negam que sentem e mais justificam. Mesmo o ciúme é mais fácil de ser contado, porque, afinal, ele tem o amor como base.

Segundo o Dicionário Aurélio: INVEJA Desgosto ou pesar pelo bem ou felicidade de outrem; desejo violento de possuir o bem alheio. (O significado já é bem negativo, não é?).

Ter inveja é desejar possuir aquilo que eu penso que o outro tem de BOM, aquilo que eu acho que sou mais merecedor que o outro.

É perguntar o tempo inteiro, afinal porque o Mundo foi tão injusto, dando aquele objeto ou característica para alguém que não seja eu.

O invejoso idealiza que o outro achou a receita da felicidade e que ela deveria ser passada para ele também. Então, falta alguma coisa importante naquele que inveja?

Falta: auto-estima, segurança e autoconfiança. Ele tem um buraco interno e um vazio, que acha que poderá preencher com o que o outro tem. Doce engano!

Se eu invejo, estou me comparando.

Se ganho a comparação, não há porquê ter inveja, certo?

Se eu perco, ou seja, tenho uma baixa auto-estima, além de invejar, vou ter raiva do outro, porque dificilmente vou acreditar que eu POSSA ter aquela característica que ele tem.

Eu invejo o que não posso ter e minimizo o outro para que ele possa diminuir de tamanho diante da minha pequenez.

É um círculo vicioso, que somente será cortado saciando essa falta interna, fazendo do invejoso uma pessoa que se provenha a si própria.

Quanto mais ela se gratifica, mais diminui a inveja.

O objeto do desejo, seja ele felicidade ou bem-estar, só nos traz satisfação verdadeira quando a conquista é nossa e não quando é feita em cima da conquista do outro. Não é possível usar a medida de outra pessoa para nós.

É possível admirar o outro, usar o recurso do outro para descobrir o nosso próprio caminho. Mas achar que usar exatamente o que o outro tem, é um pouco ficar como a irmã da Cinderela, tentando calçar um sapatinho de cristal muitos números menores que o dela, na ilusão de que se ele coubesse, o amor do príncipe magicamente caberia também.

(Sônia Blota Belotti)
Psicóloga e Psicoterapeuta

***

O ódio espuma.
A preguiça se derrama.
A gula engorda.
A avareza acumula.
A luxúria se oferece.
O orgulho brilha.
Só a inveja se esconde.

(Zuenir Ventura)







Fale Comigo Atualizações Voltar




Sonia Soares Copyright © 2000
falandocomcoracao.com|falandocomcoracao.net
Webmaster Sonia Soares| Rio de Janeiro| Brasil